segunda-feira, 18 de setembro de 2017

TORNE-SE UM

TORNE-SE UM –  por OSHO
Primeiro fique sozinho.
Primeiro comece a se divertir sozinho.
Primeiro amar a si mesmo.
Primeiro ser tão autenticamente feliz, que se ninguém vem, não importa; você está cheio, transbordando.
Se ninguém bate à sua porta, está tudo bem – Você não está em falta.
Você não está esperando por alguém para vir e bater à porta.
Você está em casa.
Se alguém vier, bom, belo.
Se ninguém vier, também é bom e belo
Em seguida, você pode passar para um relacionamento.
Agora você se move como um mestre, não como um mendigo.
Agora você se move como um imperador, não como um mendigo.
E a pessoa que viveu em sua solidão será sempre atraído para outra pessoa que também está vivendo sua solidão lindamente, porque o mesmo atrai o mesmo.
Quando dois mestres se encontram – mestres do seu ser, de sua solidão – felicidade não é apenas acrescentada: é multiplicada.
Torna-se uma tremendo fenômeno de celebração.
E eles não exploram um ao outro, eles compartilham.
Eles não utilizam o outro.
Em vez disso, pelo contrário, ambos tornam-se UM e desfrutam da existência que os rodeia.
Osho

domingo, 17 de setembro de 2017

BELA MENSAGEM


VENHA CONHECER O ATELIER G'AVILA

Venha nos visitar.
Assista uma aula para entender como é o Método "Pintando com o Hemisfério Direito do Cérebro".
O Curso é feito com uma aula semanal, duração de 3 horas, sendo 1h 30 mim de estudos de Neurolinguística e 1h 30 min de Pintura ou de Música.
O objetivo do Curso é ensinar às pessoas como se tornar TERAPEUTAS de si mesmas.
Neste processo de Autoterapia alcançamos:
  • Autoconhecimento
  •  Melhoramos os relacionamentos intrapessoal e interpessoais
  • Entendemos como funciona o Cérebro Humano
  • Desenvolvemos os vários tipos de Inteligência: Racional, Emocional e Operacional
  • Melhoramos a Autoestima
  • Alcançamos a EXCELÊNCIA no desenvolvimento pessoal, estudantil, profissional, amoroso, financeiro, espiritual.

sábado, 9 de setembro de 2017

ELIMINEMOS A COMPETIÇÃO

O caos em que o mundo se encontra é gerado pela competição.
A competição é própria do EGO, nosso eu humano.
A competição começa dentro de cada lar, de cada escola, de cada trabalho, de cada esporte e se espalha como uma epidemia avassaladora.
 Observe a vida das pessoas, a vida em que cada país do mundo se encontra. A competição vem da ganância, do apego.
Busquemos viver no mundo da COOPERAÇÃO, que pertence ao SELF, nosso Eu Divino.
Somente assim encontraremos a PAZ.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

A SEMENTE DA MUDANÇA



A Semente da Mudança
        Quando você se sentir inquieto, infeliz, triste, irritado, assustado, com medo; existem algumas coisas que você pode fazer para sair dessa armadilha da mente inconsciente.
A primeira: Torne-se consciente de que a origem disso tudo é o Ego.
 A segunda: Aquiete a mente e apenas observe. Não deixe que a mente nomeie, compare, julgue, não se culpe e nem culpe os outros. A função da mente inconsciente e fazer isso.
 A terceira: Torne-se consciente de que só você poderá chegar a esse entendimento.
 A quarta: Se a situação está difícil, de nada vai adiantar ficar reclamando e se pôr para baixo. Então, o que você pode fazer é orar, meditar, ter fé e esperança.
 A quinta: Fique em silêncio pelo menos alguns minutos, para que sua mente acalme e dê espaço para que a Presença Divina possa atuar e te ajudar.
A sexta: Entregue as suas preocupações nas mãos do Divino e peça amorosamente para “ELE” aliviar o seu fardo. (Aliviar o seu sofrimento)  
A sétima: Confie em Deus, pois a solução virá, se você não duvidar.  
A oitava: ore mais. Medite mais (Faça isso pelo menos três vezes ao dia). Orem com fé! 
A nona: Seja grato sempre.  
Expresse gratidão a Deus por tudo!
Tenham uma semana repleta de paz, amorosidade e sabedoria
.
 Carlos Coimbra 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A NOSSA SALVAÇÃO



O que é a salvação?

1. A salvação é uma promessa, feita por Deus, de que por fim encontrarás teu caminho até Ele. Ela não pode senão ser cumprida. Ela garante que o tempo terá um fim e que todos os pensamentos que nasceram no tempo também findarão. A Palavra de Deus é dada a cada mente que pensa ter pensamentos separados e substituirá esses pensamentos de conflito pelo Pensamento de paz.

2. O Pensamento de paz foi dado ao Filho de Deus no instante em que sua mente pensou em guerra. Antes não havia necessidade de tal Pensamento porque a paz era dada sem opositores e simplesmente existia. Mas, quando a mente se divide, surge uma necessidade de cura. Por esta razão o Pensamento que tem o poder de curar a divisão se tornou uma parte de cada fragmento da mente que ainda era uma só, mas que deixou de reconhecer sua unidade. Naquele momento ela não se conhecia e pensava que sua própria Identidade estava perdida.

3. Salvação é desfazer no sentido de que, deixando de apoiar o mundo, ela não faz nada. Deste modo, ela abandona as ilusões. Por não apoiá-las, ela deixa simplesmente que elas se reduzam a pó suavemente. E, agora, revela-se o que elas escondiam; um altar ao santo Nome de Deus, sobre o qual está escrita a Palavra d'Ele, com as dádivas do teu perdão depositadas diante dele e a lembrança de Deus logo atrás.

4. Vamos entrar neste lugar diariamente para passarmos algum tempo juntos. Aqui compartilhamos nosso último sonho. É um sonho no qual não há tristeza, pois ele contém um indício de toda a glória que Deus nos dá. A relva irrompe do solo agora, as árvores começam a brotar e os pássaros vêm viver em seus galhos. A terra renasce com nova perspectiva. A noite acaba e chegamos juntos à luz.

5. Daqui oferecemos a salvação ao mundo, pois é aqui que a salvação foi recebida. A canção de nosso júbilo é o aviso para todo o mundo de que a liberdade voltou, de que o tempo está quase no fim e de que o Filho de Deus só tem de esperar mais um instante até que seu Pai seja lembrado, os sonhos acabem e a eternidade brilhe afastando o mundo para que absolutamente só o Céu exista.
LIÇÃO 236   Eu controlo minha mente, que só eu tenho de controlar.

1. Possuo um reino que tenho de governar. Às vezes não parece absolutamente que sou seu rei. Ele parece triunfar sobre mim e me dizer o que fazer e o que sentir. E, não obstante, ele me foi dado para servir a qualquer propósito que eu perceba nele. Minha mente só pode servir. Hoje, ofereço os préstimos dela para que o Espírito Santo os utilize como achar melhor. Deste modo, controlo minha mente, que só eu tenho de controlar. E, assim, eu a liberto para fazer a Vontade de Deus.

2. Pai, hoje minha mente está aberta para Teus Pensamentos e fechada para qualquer pensamento que não os Teus. Eu controlo minha mente e a ofereço a Ti. Aceita minha dádiva, pois ela é Tua para mim.*

COMENTÁRIO:           Explorando a LIÇÃO 236
Desculpem-me, mais uma vez e outra vez mais, os que já se cansaram de me ouvir falar [escrever] a respeito de uma das primeiras coisas que aprendi em meus contatos iniciais com o Curso. Mas devido à importância do tema, e para que nos apercebamos de forma muito clara, que cabe apenas a nós - a cada um de nós - a escolha do mundo em que queremos viver, vou repetir, com algumas pequenas modificações, o que já disse em anos passados a título de comentário para a lição que vamos praticar hoje. Pensando também, é claro, nos que estão acessando este espaço pela primeira vez. O título da postagem também teve pequena mudança.

Quero dizer de novo que uma das primeiras coisas que aprendi, se não a primeira, foi a ideia que as práticas de hoje nos orientam a exercitar. A ideia que, em certa medida, talvez seja uma, entre outras, das mais importantes que podemos aprender, pois de seu aprendizado dependem e resultam todos, ou quase todos, os outros aprendizados. Dela depende até mesmo o aprendizado do que é a salvação.

A ideia para as práticas de hoje traz em si o aprendizado de que tudo o que aparentemente existe é fruto de meu pensamento, e me ensina e assegura que meus pensamentos são só meus e que só eu os posso e devo controlar. A lição primeira, de onde extraí este conhecimento, foi, é e continua sendo a mais importante, pois ela revela que todas as transformações por que passa o corpo que me serve de veículo de comunicação são resultado de alterações químicas provocadas na biologia pelas mudanças nas emoções, causadas por meus pensamentos e pelas mudanças em meu estado de consciência.

Hoje, é claro para mim, como deveria ser para todos nós, que estas alterações nas emoções só podem ser - e, de fato, são - provocadas, desencadeadas, por meus pensamentos. Ou seja, toda a gama de emoções que experimento pode ser modificada, se eu decidir mudar meu modo de pensar, em qualquer momento ou em qualquer situação que se apresente a minha experiência.

Assim, por exemplo, quando sou tomado de uma raiva incontrolável por alguém, por acreditar que este alguém tenha feito alguma coisa que me prejudicou, envergonhou ou humilhou, tudo o que faço na verdade é entregar o controle de minha mente, de meus pensamentos, àquela emoção. Isto é, à raiva e, por consequência, entregar o controle de minha vida, naquele momento, à pessoa a quem responsabilizei por minha raiva aparentemente incontrolável, mas, na verdade, controlável, desde que eu o queira.

E isto funciona para tudo, para todas as situações, para todas as emoções e para quaisquer experiências que se apresentem em minha vida. Sou eu quem as cria. Só eu. E se não tenho consciência disto e não aceito a responsabilidade total pelo mundo que vejo e faço, ainda não aprendi, como a lição de hoje ensina, que sou eu quem controla minha mente e que só eu tenho de controlá-la, porque só eu a posso, e devo, controlar. Ninguém mais.

Podemos até aproveitar para rever o que nos diz o jagunço Riobaldo, em Grande Sertão: Veredas, a este respeito, se vocês me permitem relembrar. Diz ele a certa altura em seu aparente diálogo com alguém a quem ele conta a história de sua vida na jagunçagem: 


"Do que de uma feita, por me valer, eu entendi o casco de uma coisa. Que quando eu estava assim, cada de-manhã, com raiva de uma pessoa, bastava eu mudar querendo pensar em outra, para passar a ter raiva dessa outra, também, igualzinho, soflagrante. E todas as pessoas, seguidas, que meu pensamento ia pegando, eu ia sentindo ódio delas, uma por uma, do mesmo jeito, ainda que fossem muito mais minhas amigas e eu em outras horas delas nunca tivesse tido quizília nem queixa. Mas o sarro do pensamento alterava as lembranças, e eu ficava achando que, o que um dia tivessem falado, seria por me ofender, e punha significado de culpa em todas as conversas e ações. O senhor me crê? E foi então que eu acertei com a verdade fiel: que aquela raiva estava em mim, produzida, era minha sem outro dono, como coisa solta e cega. As pessoas não tinham culpa de naquela hora eu estar passeando pensar nelas. (...) Mas, na ocasião, me lembrei dum conselho que Zé Bebelo... um dia tinha me dado. Que era: que a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar de ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é."